Secretaria da Educação do Estado cadastrará escolas para o projeto Grafitaê

download (1) download

A Secretaria da Educação do Estado realizará, de 2 a 30 de janeiro, às inscrições para a segunda edição do projeto #Grafitaê: Escola conta e pinta a sua história. A iniciativa, busca incentivar a liberdade de expressão, criatividade e a interação coletiva, além de promover um diálogo da cultura urbana dentro do ambiente escolar como forma de ensino e aprendizagem por meion da arte da grafitagem. Em 2017, primeiro ano do projeto, o #Grafitaê foi implantado em 270 escolas, localizadas nos 27 Núcleos Territoriais de Educação (NTE), alcançando 209 mil estudantes da rede estadual.

Para 2018 serão abertas 270 vagas em unidades escolares da rede estadual. Para se cadastrar, o gestor escolar deve comparecer ao NTE e preencher o Termo de Adesão, demonstrando interesse em levar o projeto para sua escola. A coordenadora de Educação Integral, Catarina Cerqueira, conta que a procura para a adesão já está grande. “Estamos recebendo ligações tanto de professores quanto dos alunos e gestores de todo o Estado, informando que suas escolas têm interesse e querendo saber quando começam as inscrições. A procura está muito forte”, explica a coordenadora.

Catarina também faz um balanço do #Grafitaê em 2017. “Foi um projeto que deu muito certo, muito positivo, principalmente pelo envolvimento da comunidade escolar e do entorno. Em algumas escolas o muro virou cartão postal e as oficinas também levantaram várias questões sociais. O projeto, além de promover embelezamento nas escolas, trouxe discussões sobre empoderamento, preconceito, machismo, racismo, diversidade, entre outros, e, por outro lado, os grafiteiros tiveram um papel muito importante, incluindo os estudantes nesse processo artístico”, pontua.

Grafitaê - O projeto Grafitaê: Escola conta e pinta a sua história” busca aproximar a realidade dos estudantes à escola por meio da história de vida dos alunos e da comunidade, promovendo o empoderamento juvenil. Tendo o grafite como principal ferramenta de expressão visual, a iniciativa aborda a temática de forma lúdica, criativa e educativa, envolvendo e desafiando os estudantes a participarem de atividades diversas, como rodas de conversas, oficinas de hip-hop, rap, breakdance, grafite, onde os alunos são divididos previamente em equipes, com o objetivo de produção de conteúdo.

Google certifica professores e estudantes da rede estadual de ensino

 download (7)
A Google INC certificou 116 professores e nove estudantes da rede estadual de ensino, que participaram da formação do Google Apps For Education ou Google Sala de Aula. O aplicativo oferece um Ambiente Virtual de Aprendizagem de última geração, dinamizando os processos de ensino e aprendizagem e configurando uma rede social de conhecimentos que integra estudantes e professores. A iniciativa é resultado de parceria com a Secretaria da Educação do Estado, por meio do projeto e-Nova Educação, que inclui a formação dos gestores e professores, com o objetivo de fortalecer o eixo pedagógico nas escolas.
Realizada pelo Instituto Paramitas – única ONG parceira da Google para a formação de professores –, contratado pela Secretaria da Educação do Estado, a formação foi iniciada em 20 unidades de ensino de Salvador, Feira de Santana, Vitória da Conquista, Camaçari, Lauro de Freitas, Mata de São João, Jequié, Senhor do Bonfim, Luís Eduardo Magalhães, Ilhéus e Itabuna. De acordo com o coordenador geral de Articulação de Projetos para a Educação da Secretaria, Rogério Quintella, a iniciativa proporciona a inovação na sala de aula e confere maior qualidade nos processos de ensino e aprendizagem dos estudantes, por meio do uso da tecnologia.
“A certificação dos professores e estudantes ocorre por meio de uma prova bastante difícil, internacional, feita à distância.  O resultado superou a nossa expectativa. Começamos em 20 escolas, tendo como infraestrutura apenas os celulares do formador e dos cursistas. Agora, teremos condições de ampliar a formação e fazer ainda melhor com a chegada da banda larga em 572 escolas da rede estadual, no início do ano letivo de 2018. Isto significa que, inicialmente, quase 50% das nossas escolas já terão acesso à Internet em Banda Larga, o que vai facilitar o acesso ao Google Sala de Aula”, ressalta Quintella.
A professora de Filosofia do Colégio Estadual Félix Mendonça, em Itabuna, Joadilma Priscila, fala sobre a experiência. “Este curso do Google foi muito bom. Algumas ferramentas eu já conhecia, mas não sabia como utilizá-las. A agenda já fazia parte do meu cotidiano e outras ferramentas foram sendo descobertas. A ferramenta de projeto foi muito interessante: poder fazer o projeto, compartilhar as informações. Estou aplicando as ferramentas com os alunos e para o próximo ano letivo pretendo ampliar a execução com eles porque acho que isso vai dar uma grande oportunidade, tanto para mim, como professora, como para os alunos de nos envolvermos mais com o conhecimento”.
A professora Jerusa Prado, do Centro Estadual de Educação Profissional em Saúde (CEEPS) Adélia Prado, em Vitória da Conquista, aplicou algumas ferramentas do Google com seus alunos e fala sobre o resultado. “Ao término da nossa terceira e última unidade do ano letivo, utilizei uma das ferramentas do Google Sala de Aula, que é o formulário, e, através dele, criei um questionário de autoavaliação, com questões objetivas e subjetivas. Convidei os alunos através do e-mail deles e fiz questão de que eles realizassem essa atividade em casa para que ficassem mais à vontade para responder. Foi uma atividade muito proveitosa e prazerosa, porque tive um retorno de como foi a disciplina para os meus alunos, como eles aprenderam e as deficiências que ficaram”.

Mais de 103 mil candidatos se inscrevem no concurso para professor e coordenador pedagógico do Estado

download (5)

Mais de 103 mil candidatos se inscreveram no concurso público para professores e coordenadores pedagógicos da rede estadual de ensino, promovido pelo Governo do Estado, por meio das Secretarias da Educação e da Administração. Foram 69.587 inscritos para professores e 33.995 para coordenadores pedagógicos. São ofertadas 3.760 vagas, sendo 3.096 para professores e 664 para coordenadores pedagógicos.

O secretário da Educação do Estado disse que a procura pelo concurso revela o interesse dos profissionais pela Educação. “Esta é uma área que vem sendo priorizada enquanto política pública pelo governador Rui Costa, que também está investindo em cursos de qualificação e na promoção da carreira dos professores e coordenadores pedagógicos. São esforços empreendidos mesmo em um momento delicado na economia do país. Portanto, isto significará um grande salto para o fortalecimento do eixo pedagógico das escolas e, consequentemente, para a melhoria da Educação”.

Concorrência – O cargo de professor padrão P, grau IA Linguagem, com ênfase em Língua Portuguesa, para Salvador, foi o que registrou o maior número de inscritos, 2.006 candidatos. Já o cargo de professor padrão P, Grau IA Ciências Humanas: Filosofia, e para professor padrão P, grau IA Ciências Humanas: Sociologia, ambos para Jacobina, registraram o menor número de inscritos, cinco por disciplina. Para o cargo de coordenador pedagógico Padrão P, Grau IA, Salvador registrou o maior número de inscritos, sendo       6.953 candidatos e Macaúbas registrou o menor número, com 285 inscritos.

Aplicação das Provas –  O concurso terá três etapas. As provas objetivas (1ª etapa) e discursivas (2º etapa) serão aplicadas no dia 25/02/2018, para todos os cargos, no período da manhã, nas cidades de Alagoinhas, Amargosa, Barreiras, Bom Jesus da Lapa, Caetité, Eunápolis, Feira de Santana, Ipirá, Irecê, Itaberaba, Itabuna, Itapetinga, Jacobina, Juazeiro, Jequié, Macaúbas, Paulo Afonso, Ribeira do Pombal, Salvador, Santa Maria da Vitória, Seabra, Serrinha, Santo Antônio de Jesus, Senhor do Bonfim, Teixeira de Freitas, Valença e Vitória da Conquista. Somente será corrigida a prova discursiva dos candidatos habilitados e melhores classificados nas provas objetivas. A terceira etapa é a prova de títulos, para fins de pontuação dos candidatos habilitados na prova discursiva.

Confira o número de inscritos por município no Portal da Educação:www.educacao.ba.gov.br

 

 

Boletim online disponibiliza notas e frequências dos estudantes da rede estadual

download (4)
Com a tecnologia a serviço da educação, os pais, mães e responsáveis pelos estudantes da rede estadual de ensino, podem acompanhar o desempenho dos seus filhos de forma prática, rápida e sem precisar sair de casa, através do  Boletim online. A ferramenta, que está disponível no Portal da Educação (www.educacao.ba.gov.br), possibilita que os pais tenham um acesso mais rápido e dinâmico do cotidiano escolar e saibam como foi o desempenho dos filhos, quais as disciplinas se destacaram e em quais os estudantes precisam de maior atenção e acompanhamento na aprendizagem para o próximo ano.
Dona Loesmaia Sales, mãe do estudante Isaías Sales, 2º ano, do Colégio Estadual Raphael Serravale, em Salvador, brinca com a facilidade do acesso ao desempenho escolar do filho. “Agora ninguém esconde nada de mim”, sorrir ao acrescentar: “É uma iniciativa maravilhosa da Secretaria da Educação do Estado, porque, às vezes, não temos tempo de ir à escola pegar o boletim do filho, saber suas notas, em quais matérias está precisando de reforço ou se está de parabéns. Isso facilitou muito nossa vida. Agora, acompanho a vida escolar dos meus filhos até pelo celular”, declara.  
Para conferir as notas e frequência do estudante, através do Boletim online, é simples: basta ter em mãos o número de matrícula e a data de nascimento do estudante, acessar o Portal da Educação, clicar no link do Boletim Online, preencher os campos com as informações do aluno e clicar em consultar.

 

SAC Educação chega a marca de 349 mil atendimentos

download (2) download (3)

 

O SAC Educação chega aos oito anos de criação com a marca de 349 mil atendimentos. Só em 2017, o SAC Educação de Salvador atendeu 36 mil servidores e o de Feira de Santana recebeu 8 mil pedidos. Com a proposta de desburocratizar o atendimento da Educação, são oferecidos 120 serviços voltados à vida funcional de professores e servidores. Com uma média de 150 atendimentos por dia, os interessados têm à disposição serviço de Licença Prêmio, Aposentadoria e Abono de Permanência, além de gratificações salariais, progressões na carreira, mudança de carga horária a benefícios de quinquênio e adicionais.

 

A coordenadora do SAC Educação, Luciana Oliveira, destaca a excelência do atendimento realizado nas duas unidades. “A cada ano aprimoramos o nosso atendimento sempre disponibilizando informações precisas e embasadas dentro das legislações legais para os servidores. É importante ressaltar que pode solicitar os serviços qualquer servidor da Educação lotado nos 27 Núcleos Territoriais de Educação (NTE), e não apenas, que morem nas cidades que possuem a unidade”, explicou.

 

Entre as principais procuras estiveram o recadastramento do servidor e o pedido de licença prêmio, que somou mais de 4 mil solicitações. “O bacana foi que, de acordo com a Ouvidoria da Educação, de todos os elogios recebidos pelo órgão 91,2% foram direcionados ao SAC Educação”, frisou Luciana.

 

Os profissionais de Educação podem consultar os serviços disponíveis pelo SAC Educação e os documentos necessários para efetivá-los através do Portal da Educação (sac.educacao.ba.gov.br), no link “Educadores”.

 

Onde encontrar os serviços do SAC Educação:

 

- Salvador: Av. da França, S/N, Instituto de Cacau, 1º andar. Horário de atendimento: segunda a sexta-feira, das 7h às 17h.

 

- Feira de Santana: Rua Vasco Filho, S/N, Centro, próximo ao Terminal Rodoviário. Horário de atendimento: segunda a sexta-feira, das 7h às 18h.

Estado forma mais de seis mil jovens pelo Ensino Médio com Intermediação Tecnológica em 2017

download (1)

A Secretaria da Educação do Estado formou 6.222 estudantes em todo o Estado, em 2017, pelo programa Ensino Médio com Intermediação Tecnológica (EMITEC). Aliando tecnologia e interatividade, as aulas do EMITEC são transmitidas diretamente dos estúdios de TV instalados no Instituto Anísio Teixeira, em Salvador, via satélite e em tempo real, para telessalas de aulas espalhadas no Estado. O programa possibilita, desta forma, que os estudantes que moram em áreas remotas da Bahia estudam e concluam o Ensino Médio e, desde 2011, formou um total de 32.352 estudantes.

“O EMITEC amplia a capilaridade da rede estadual de ensino. Só em 2017, este programa atendeu a 21.120 estudantes que moram em áreas remotas da Bahia, chegando a 414 localidades, em 150 municípios. Com esta ação, o Estado chega em locais de difícil acesso e permite a inclusão de pessoas que, pelo simples fato de morarem em áreas rurais, historicamente vinham sendo excluídas do processo educacional”, destaca o secretário da Educação do Estado, Walter Pinheiro.

Dona Geni Rodrigues de Souza, 60 anos, é uma das concluintes do Ensino Médio de 2017. Na sala de aula, instalada no Colégio Estadual 2 de Julho, em Boa Vista, zona rural do município de Ibotirama, no Oeste baiano, a dona de casa se destacou entre os jovens colegas pela sua capacidade de ir sempre em frente em busca de seus sonhos. Para eles, ela se tornou um exemplo de perseverança e estímulo no processo de ensino e aprendizagem de todos.

Concluir o 3º do Ensino Médio, mesmo “nesta idade”, como ela diz, tem um enorme significado na sua trajetória de vida. “Em 2003, conclui a 8ª série, já com 46 anos, porque não tive a chance de estudar na idade certa. Depois, fiquei mais 12 anos parada, pois tive que dar conta da criação dos meus quatro filhos. Em 2015, soube que o EMITEC estava sendo realizado em Boa Vista e aí abracei a oportunidade com muita força porque sempre gostei de estudar, ganhar conhecimentos. E o programa chegou no momento certo, pois os filhos já tinham tomado seus rumos e eu estava com o tempo mais livre, cuidando só do marido”, relata a estudante sexagenária.

Exemplo de determinação – Com o certificado de conclusão do Ensino Médio nas mãos, Dona Geni continua em busca de novos voos. “Fiz as provas do ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio) e espero ter a chance de entrar em alguma faculdade. Vou continuar estudando e adquirindo mais conhecimentos, ocupando a mente. Gosto muito da área de Saúde, então penso, também, em fazer um curso técnico de Enfermagem ou para agente de Saúde”, conta.

 

A professora mediadora do EMITEC, Priscila Maciel, revela ter sido muito gratificante e um importante aprendizado para todos o convívio com a aluna. “Dona Geni é um exemplo que muitos devem seguir. É persistente, alegre, dedicada, incentivadora e interagia com todos. Fazia questionamentos durante as aulas, o que tornavam as aulas sempre mais interessantes. Sou grande admiradora dessa querida aluna e ela sempre foi muito respeitada e admirada pela turma justamente por conta do seu entusiasmo e da sua força de vontade Não faltava aula e fazia todas as suas atividades, e ainda ajudava os colegas de outras séries em dificuldades”, relata a educadora.

A diretora do EMITEC, Letícia Machado, enaltece a importância do programa para a Educação na Bahia. “Com seis anos de experiência, o EMITEC já tem mais de 30 mil estudantes formados no Ensino Médio e muitos destes estão dando continuidade aos estudos no Ensino Superior. Nos últimos anos, o EMITEC vem crescendo com o ingresso de alunos com idade que já passou da fase normal de concluir o Ensino Médio, como é o caso de Dona Geni, que nos traz uma grande esperança e contribuição para a melhoria da Educação no nosso Estado”.

Regime de colaboração com os municípios beneficia mais de 1,5 milhão de crianças na Bahia

download (6) download (7) download (8)

Mais de 1 milhão e 500 mil crianças na Bahia estão sendo beneficiadas com ações desenvolvidas pela Secretaria da Educação do Estado em regime de colaboração com os municípios, desde 2011, visando a alfabetização, com letramento, na idade certa, ou seja, até os oito anos de idade. Só em 2017, 381 municípios aderiram ao Programa Estadual Pacto pela Educação, segundo dados apresentados pela Coordenação de Projetos Especiais (COPE) durante Seminário de Avaliação, realizado, nesta segunda-feira (18), no auditório da Secretaria, no Centro Administrativo (CAB).

Por meio do Pacto pela Educação, o Estado vem realizando formação de coordenadores pedagógicos, coordenadores locais. Só em 2017, foi realizada a formação de mais de 900 coordenadores pedagógicos e coordenadores locais de redes municipais, com foco especial para as áreas de Língua Portuguesa e Matemática no ciclo inicial (1º ao 3º ano do Ensino Fundamental). Graças ao regime de colaboração, a Secretaria da Educação do Estado também presta assessoramento técnico a esses municípios no monitoramento dos Planos Municipais de Educação, contribuindo para a elaboração de diagnóstico e dos Planos de Carreira e Remuneração dos profissionais da Educação das redes municipais.

Além das redes de assistência técnica e pedagógica aos municípios, a Secretaria também distribuiu material didático, o que incluiu livros referenciados na realidade da Bahia e escritos por autores baianos. As ações pela alfabetização alcançam, também, jovens acima de 15 anos, adultos e idosos, por meio do Programa Todos pela Alfabetização. Só em 2017, foram mais de 12.700 beneficiados em toda a Bahia.

A coordenadora de projetos especiais da Secretaria da Educação do Estado, Elenir Alves, falou sobre os resultados alcançados e destacou a importância do planejamento que está sendo realizado, até esta terça-feira (19), com 150 técnicos do órgão central e dos 27 Núcleos Territoriais de Educação da Bahia (NTE). “Estamos apresentando o que foi atendido em 2017, em cada programa, e, a partir daí, discutindo em que podemos melhorar na ação e na atuação de assistência nesse regime de colaboração em cada município, contando com a colaboração dos técnicos dos núcleos”, destacou.

Presente ao seminário, a supervisora da COPE, no Núcleo Territorial de Educação de Feira de Santana (NTE 19), Roseane Mascarenhas, faz um balanço dos programas desenvolvidos. “Estamos unidos nesse propósito de trabalhar para a educação, tanto na alfabetização de crianças como na alfabetização de jovens e adultos”, afirmou. Para o supervisor da COPE, em Serrinha (NTE 04), Nilson Pereira Júnior, o trabalho é recompensador. “O ano de 2017 foi muito gratificante, porque estamos vendo o trabalho da Secretaria sendo desenvolvido lá na ponta, tendo as escolas efetivando nossos programas e fazendo dar certo”, afirmou.

 

Convocados do Partiu Estágio têm até 21 de dezembro para se apresentar

Termina na próxima quinta-feira (21) o prazo para apresentação dos convocados do Programa Partiu Estágio. A convocação, divulgada no site da Secretaria da Administração (Saeb) no dia 7 de dezembro, é a terceira chamada do segundo edital do programa e contempla 771 universitários baianos de instituições privadas, federais e estaduais. Os convocados receberam e-mail de convocação na mesma data, com informações sobre a entrega de documentos e em qual órgão deverá se apresentar.

De acordo com o edital do Programa Partiu Estágio, os selecionados têm prazo de dez dias úteis para se apresentarem no local indicado, sob pena de perderem a vaga para a qual foram encaminhados. Ainda é necessário atentar para toda a documentação solicitada: a apresentação parcial dos documentos não assegura a oportunidade de estágio no Governo do Estado. Ao todo, já foram contratados 4.135 estudantes universitários por meio do Partiu Estágio.

O contrato terá duração de um ano, sem possibilidade de prorrogação. As atividades a serem desenvolvidas estarão previstas no Plano de Estágio, documento que será assinado pelo estudante, pela instituição de ensino superior e pelo órgão contratante, juntamente com o Termo de Compromisso de Estágio. A carga horária de atividade é de quatro horas diárias e de 20 horas semanais. Durante a vigência do estágio, o estudante terá direito a bolsa mensal, auxílio-transporte e recesso remunerado proporcional.

Gerido pela Saeb, o programa garante acesso a oportunidades de formação a jovens universitários que ainda não conseguiram se inserir no mercado de trabalho. É prioritário para estudantes inscritos no CadÚnico e para aqueles que tenham estudado todo o ensino médio em escola pública ou com bolsa integral na rede privada. É necessário, entre outras coisas, que o universitário tenha idade mínima de 16 anos e que tenha cumprido pelo menos 50% de sua graduação, desde que ministrada presencialmente por instituição com sede na Bahia.

Documentação:

O estudante deve ficar atento aos documentos exigidos para começar a estagiar. Serão solicitados:

– Comprovante de residência
– Original e cópia da Carteira de Identidade
– Original e cópia do Cadastro de Pessoa Física – CPF
– Original e cópia de carteira de identidade do representante legal ou do termo de guarda expedida por autoridade judicial, se for o caso
– Declaração da instituição de ensino informando o semestre letivo, o turno de estudo, o curso de formação e sua natureza presencial e a conclusão de, no mínimo, 50% do curso
– Comprovante de matrícula e frequência na instituição de ensino
– Declaração própria de que não exerce atividade remunerada em órgão público
– Original e cópia do título de eleitor, se for o caso
– Original e cópia do certificado de reservista, se for o caso
– Carteira de Trabalho e Previdência Social – CTPS
– Comprovação de inscrição no CadÚnico, se for o caso
– Histórico escolar do Ensino Médio
– Declaração da escola em que cursou o ensino médio, como bolsista integral, se for o caso
– E-mail convocatório emitido pelo sistema.

Estudantes da rede estadual se despedem do ano letivo 2017

download (1) download (3)

O ano letivo 2017 na rede estadual chega à sua reta final e os estudantes que passaram direto tiveram, nesta quarta-feira (13) o último dia de aula de acordo com o calendário oficial da Secretaria da Educação do Estado. A quinta-feira (14) vai ser dedicada ao Conselho Escolar e o período de recuperação será de 15 a 20 de dezembro. Nas escolas, o clima hoje foi de despedida do ano letivo de 2017.  No Centro Juvenil de Ciência e Cultura de Salvador (CJCC), localizado no Colégio Estadual da Bahia (Central), no bairro de Nazaré, os estudantes que fazem a oficina de Robótica comemoravam o êxito nos estudos regulares e a participação nas oficinas oferecidas pelos CJCC.

Foi o caso de Laimane Varjão, 18, que concluiu o 2º ano do Ensino Médio no Colégio Estadual Padre Palmeira, em Mussurunga, e faz a oficina de Robótica no CJCC, no turno posto ao ensino regular. “Estou muito alegre por ter passado direto, até porque já passei por recuperação no ano anterior e passar direto é uma vitória. Neste ano, eu acho que amadureci bastante com relação aos estudados, que passaram a ser em primeiro lugar na minha vida”, afirmou, ao destacar a importância do Centro Juvenil no seu processo de ensino e aprendizado. “Já tenho dois anos no CJCC e desde que entrei, vi os estudos como algo muito melhor. A Robótica me ajudou a me interessar mais pela tecnologia, a estudar e a me aprimorar das coisas que não tinha vontade”.

O estudante Ítalo Gabriel, 15 anos, que vai para o segundo ano do Ensino Médio, no Central, participa das oficinas de Robótica, Inglês, Games e Aplicativos no CJCC. Para ele, as oficinas foram essenciais para o seu bom desempenho no Ensino Médio. “Meu ano foi bastante positivo, acabei fazendo amigos e conhecendo estas áreas de oficinas o que me ajudou bastante na escola regular, porque aqui no CJCC aprendo um pouco de tudo, aprendo sobre as escolas e também a convier em grupo, ter novas ideias e a ganhar maturidade para a vida”, afirmou, ao falar do que está sentindo. “Vou sentir muitas saudades da galera, mas já estou na expectativa de 2018”, afirmou.

O diretor do  CJCC de Salvador, Alcides Magalhães, disse que 2017 foi um ano especial para o Centro que ofertou 22 oficinas e atendeu a cerca de 1.200 alunos. “Este foi um ano de muita felicidade porque conseguimos marcar presença em eventos importantes como a Campus Party e o 5º Encontro Estudantil da Rede Estadual. O mais importante é saber que os estudantes cumpriram sua jornada e deram um salto qualitativo educacionalmente e como cidadãos, por meio de uma educação pública com inovação e transformada”, afirmou.

No Colégio Estadual Rotary, no bairro de Itapuã, em Salvador, o professor de História, Lázaro do Espírito Santos, também fez um balanço positivo sobre o ano letivo de 2017. “No geral, o nosso colégio desenvolveu uma série de atividades pedagógicas importantes, com destaque para a Flicor (Feira Literária do Colégio Rotary), um projeto multidisciplinar que mobilizou toda a comunidade escolar, bem como o I Ayomicida, evento multicultural voltado à temática da consciência negra”, relatou o educador.

 

Conquistas – O diretor do Rotary, Erweuter Volkart, destacou os avanços pedagógicos e citou as parcerias com o Balcão da Cidadania; o Rotary Clube da Bahia; e as instituições da própria comunidade, como a Casa da Música. “Também promovemos a nossa segunda feira literária, com a participação de escolas municipais; fizemos o nosso festival desportivo-cultural homenageando os municípios do interior; e realizamos o nosso desfile da beleza negra e a Expo Saúde, além de termos tido outras conquistas paralelas, como por exemplo ter ganhado o campeonato de handebol do JERP (Jogos Estudantis da Rede Pública) ”, enumerou.

 

Bahia é apresentada como sede do XIX Virtual Educa em Washington

download (5) download (4)

O Estado da Bahia foi apresentado, nesta terça-feira (12), como a sede do XIX Encontro Internacional Virtual Educa, em Washington (EUA), pelo secretário da Educação do Estado, Walter Pinheiro. O encontro vai ocorrer entre os dias 4 e 8 de junho de 2018, em Salvador, com o tema ‘Educação para transformar a sociedade em um espaço único multicultural’.

Durante a apresentação, o secretário falou sobre diversas ações que estão sendo implementadas pelo Governo da Bahia na Educação e destacou a importância do encontro. “Este é um dos maiores programas mundiais de estímulo às inovações e ao uso das tecnologias como instrumento pedagógico e de gestão escolar, envolvendo governos, empresas e a sociedade organizada. Será uma oportunidade para que os profissionais da educação tenham experiências inovadoras para melhorar a aprendizagem dos estudantes”, destacou.

Pinheiro mostrou como a tecnologia tem contribuído como ferramenta para o eixo pedagógico da rede estadual de ensino, a exemplo do programa de Ensino Médio por Intermediação Tecnológica (Emitec). O programa atende a mais de 21 mil estudantes e faz uso de uma rede de serviços de comunicação multimídia que integra dados, voz e imagem, se constituindo em uma alternativa pedagógica para atender a jovens e adultos dos 27 Núcleos Territoriais de Educação (NTE) que, prioritariamente, moram em localidades distantes (ou de difícil acesso) em relação a centros de ensino e aprendizagem onde não há oferta do Ensino Médio.

Pinheiro também citou a parceria com o Google que está em curso com mais de mil professores da rede estadual participando da formação com foco no uso de aplicativos educacionais em sala de aula, a partir do uso de Chromebooks. “O foco do trabalho que estamos desenvolvendo é no eixo pedagógico das escolas, porém com o uso da tecnologia como ferramenta, para tornar mais atrativo e dinâmico o ensino e a aprendizagem”, destacou, ao completar que este projeto deve envolver mais de 28 mil educadores e 572 escolas.

Para a próxima edição do encontro, já está agendada a entrada da Baía de Todos-os-Santos no programa Economia Azul (Blue Economy), do Banco Mundial, que visa estabelecer um marco mundial sobre a economia do mar, com foco na sustentabilidade e na economia sustentável. “Além deste, estamos articulando junto ao Banco Mundial e ao Virtual Educa outras possibilidades de acordos”, enfatizou Pinheiro, ao destacar que os debates ocorridos em Washington envolveram, ainda, a necessidade de melhoria no aprendizado com foco nas escolas e, também, nos sistemas educacionais.

A mais recente edição do encontro internacional reuniu mais de 29 mil pessoas em Bogotá, na Colômbia, em junho deste ano. De acordo com o secretário geral do Virtual Educa, José María Antón, a Bahia foi escolhida para sediar a próxima edição por diversos fatores preponderantes, a exemplo da diversidade cultural, localização, destaque em projetos educacionais e a vinculação com a África, continente que pela primeira vez participará do programa.

O Virtual Educa é uma iniciativa criada em 2001 com a Organização dos Estados Americanos (OEA), cujo objetivo é promover a inovação na educação para promover a transformação social e o desenvolvimento sustentável, especialmente na América Latina e no Caribe. O Virtual Educa opera através de uma aliança de organizações internacionais, agências multilaterais e instituições públicas e privadas, que reúne os setores público, empresarial, acadêmico e da sociedade civil.